Conselho Regional de Psicologia repudia precariedade da assistência nos manicômios de Sorocaba e região

Do site do CRP-SP

Publicado em 11/2/2011

O Conselho Regional de Psicologia SP está divulgando uma nota na qual faz duras críticas à situação em que se encontra a Saúde Mental em Sorocaba. O município está inserido nas regiões onde se concentra o maior número de leitos psiquiátricos no Estado, ao mesmo tempo em que o poder público local pouco faz para mudar esta situação, indo de encontro à Lei Antimanicomial e Reforma Psiquiátrica. Questionado sobre o número de mortes nos manicômios, durante uma reportagem a um jornal local, o diretor administrativo do Hospital Psiquiátrico Vera Cruz defendeu a internação de pessoas com transtorno mental nestes hospitais, como forma inclusive de proteger suas vidas. Confira a posição do CRP SP a este respeito.

NOTA DE REPÚDIO

O Conselho Regional de Psicologia – 6ª Região – vem por meio desta repudiar publicamente a situação de negligência com os cuidados da pessoa com transtorno mental de Sorocaba e região, tendo por base a declaração do diretor administrativo do Hospital Psiquiátrico Vera Cruz, de Sorocaba, Francisco Mussi Júnior, em reportagem do jornal Bom Dia (Edição de 29 de janeiro de 2011), em resposta à divulgação de mortes nos manicômios pelo FLAMAS – Fórum da Luta Antimanicomial de Sorocaba.

Em seu art. 196, a Constituição Federal de 1988 estipula que a “Saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.”

Assim, a saúde é um direito constitucionalmente assegurado a toda a coletividade, visto que contempla um interesse social. É fato que todas as diretrizes e as obrigações estabelecidas especificamente em leis, regulamentos e portarias vinculam-se ao Administrador Público, ou a ele equiparado, que é responsável pela gestão dos serviços.

A Lei nº 10.216/2001 dispõe sobre a proteção e o direito das pessoas com transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. No seu art. 2º, Parágrafo Único, ela estipula uma série de direitos das pessoas portadoras de transtorno mental, dentre os quais o de ser tratada, preferencialmente, em serviços comunitários de saúde mental (inciso IX). A desinstitucionalização deve estar atrelada à criação de serviços substitutivos eficientes, que contribuam para a inclusão social destes pacientes e o resgate da cidadania.

Essa ênfase no tratamento de base comunitária, com acesso a todos os serviços e modalidades de atendimento necessárias ao tratamento adequado dos transtornos mentais, de fato constitui um progresso importante para a área em todo o país.

Todavia, a argumentação utilizada pelo diretor do mencionado hospital de Sorocaba claramente está em desacordo com a Reforma Psiquiátrica Brasileira, política vigente na área da Saúde Mental desde a década de 1980.

É desalentador avaliar a seguinte declaração de um dos responsáveis pela execução dos serviços que dizem respeito à Lei 10.216/2001. Ao ser confrontado com os dados de uma pesquisa que mostra a ocorrência de uma morte a cada três dias nos manicômios da região, o diretor psiquiatra defendeu a internação dos pacientes, sob a argumentação de que “se estes pacientes não estivessem na instituição estariam nas ruas, onde o índice de mortes certamente é bem maior”.

Há de se salientar que esse discurso traz elementos básicos de como a política de saúde mental é tratada na região de Sorocaba: descompromisso com a investigação rigorosa dessas mortes e, portanto, um desrespeito aos direitos humanos dos internos dos manicômios. Não obstante, diante de uma nota como essa, é válido resgatar a análise do filósofo francês Michel Foucault sobre o uso da psiquiatria como instrumento de controle e reprodução do sistema, disfarçado de proteção à saúde.

É de conhecimento que a reforma psiquiátrica constitui-se numa tentativa de dar ao fenômeno da loucura outra resposta social, que não a asilar, de modo a reduzir a internação a um recurso eventualmente necessário, em hospitais gerais, mais especificamente e de preferência em CAPS III.

Diante da complexidade da gravidade da denúncia relativa à violação dos direitos das pessoas com transtornos mentais, o Conselho Regional de Psicologia de São Paulo ressalta que é obrigação também do poder público municipal, gestor da saúde mental no município, a investigação das mortes ocorridas e das condições de vida dos pacientes dos manicômios da cidade.

Espera-se dos dirigentes desses hospitais o reconhecimento do problema e o diálogo com especialistas, usuários e familiares, poder público, enfim, envolvendo a participação de toda a sociedade.

O Conselho Regional de Psicologia de São Paulo pretende contribuir com o processo de substituição asilar em Sorocaba e região, trazendo à tona a discussão de dados que não se pode omitir, tampouco, reduzir a argumentações distorcidas imbuídas de conceitos e valores que estão na contramão das diretrizes estabelecidas pelo Ministério da Saúde.

 

Por fim, espera-se uma reformulação do modelo de tratamento em saúde mental, visando à substituição de manicômios para uma rede sustentada por serviços diversificados e comunitários, primando pelos laços sociais e, não mais pela segregação da pessoa em sofrimento psíquico.

 

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA SP

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: